quarta-feira, 30 de setembro de 2015

Pai....

Daqui a 6 semanas vou perder o meu pai pela distância de um oceano.
Daqui a 37 dias vai-me faltar uma grande e mais importante peça do puzzle da minha vida.
Daqui a 888 horas vou sentir uma desorientação desmedida, vou perder o meu guia, a luz que me encaminha.


Daqui a 53280 minutos o meu pai vai deixar-me. Ele vai-se embora. De vez.
No dia 7 de Novembro de 2015 parte de mim vai morrer, não num sentido literal como eu preferia que fosse, mas talvez num sentido que se sinta, que se pressente, que emocionalmente nos mate.
Este dia vai ser provavelmente o dia pior da minha vida. 


Pior do que aquele dia em que confirmei a minha suspeita do meu pai trair a minha mãe, expulsando-o assim de casa.
Pior do que aquele dia em que voltei a reencontrar o meu pai, olhar-lhe nos olhos, e desmanchar-me em lágrimas de arrependimento.
Pior do que aquele dia em que senti que o tinha perdido para uma nova mulher, para uma nova família.
Pior do que aquele dia em que me disse toda a verdade.
Pior do que aquele dia em que ouvi que ele ia deixar-nos sozinhas, com as dívidas, com os problemas económicos, com a casa por vender, com os problemas da avó, e com todo o resto que ele vai ter que deixar para trás, e deixar-me a mim e à minha mãe lidar com isto tudo.
Pior do que aquele dia em que berrei com ele, pior do que aquele dia em que lhe disse tudo o que sentia, tudo o que eu julgava ser a verdade, vendo-o manter-se firme e sério, olhando para o chão, não conseguindo fazê-lo olhar para mim. 
Pior do que aquele dia em que eu me perdi, pior do que aquilo dia em que me tentei perder, pior do aquele dia em que tentei fugir pelo horizonte e limite da vida. Pior do que aquele dia em que ele se iria perder, iria tentar-se perder e fugir pelo seu horizonte da vida, e eu entrei no carro e jurei "Nem que morra aqui contigo." 
Pior do que aqueles dias que não dormia, pensando que toda a minha vida era, é e sempre será uma pura mentira. Pior do aqueles dias que só fazendo uma lâmina dançar em minha pele me fazia sentir melhor. Pior do aqueles dias que deixar de respirar era o meu único objectivo. Pior do que aqueles dias que passava fome para alimentar a minha dor, a minha mágoa, a desilusão que eu sabia que eu era. 
Pior do que aqueles dias que eu chegava a casa e ele já não estava lá, nem iria estar. Pior do que aqueles dias que eu até pensava que estava a ouvir o carro dele chegar e entrar na garagem, e eu corria até lá para encontrar um vazio e mais uma ilusão, mais uma decepção... 
Pior do que aqueles dias que eu tinha que dormir com a minha mãe porque ela tinha medo, medo de ficar sozinha, medo de eu ficar sozinha, medo de estarmos sós, sem meu pai para nos proteger. 
Pior do que aqueles dias que eu caía no canto do meu quarto, chorando sem sequer conseguir parar, soluçando, acompanhada pelo silêncio e pelo escuro que me confortava. 
Pior do que estes dias e de todo o restante. Pior do que hoje, dia em que ouvimos a nossa música, no carro, quando ele me levava a casa, e lágrimas caíram de um modo impulsivo e imediato de ambos os rostos. Dia em que tivemos que falar, combinar como teria que ser quando ele partisse. Eu teria que fazer assado, minha mãe teria que fazer frito, depois eu tinha que fazer cozido e grelhado. Mas eu não quero isso, eu quero-o aqui, ao meu lado porra. É assim tão difícil de compreender? É assim tão complicado perceber o facto de eu não conseguir imaginar a minha vida sem o Homem mais importante desta ao pé de mim?



Agora, que falta tão pouco tempo, é que estou a conseguir cair em mim e finalmente entender que estou prestes a ficar sem o meu pai. Eu sei que ele não vai morrer, mas só na minha pele é que se consegue sentir esta dor, este sentimento de perda. É como se nunca mais lhe voltasse a ver, mesmo que existem o Skype e o Facebook e isso tudo... Mas entendam, não é e nunca irá ser a mesma coisa. Não vou poder ter um outro abraço dele, um outro beijo, uma palavra de confiança cara a cara, uma conversa cúmplice entre pai e filha. Estas coisas não voltarão a acontecer nem assim tão cedo.. Não quero perder a esperança. Contudo, tem sido atormentador, tão duro, tão delicado e eu ainda não sei como é que irei conseguir lidar com a partida dele. E os últimos dias? Como irei passar? O que farei de mim? O que será de nós? Manter-me firme, manter-me forte? Como? Se o meu ponto de abrigo, aquele que olha por mim, pela minha segurança, a única pessoa em quem eu tinha mais confiança, mais intimidade, se vai embora?




Eu conheço, reconheço e compreendo as suas razões, entendo os factos. Apenas não consigo encontrar estabilidade em mim mesma depois disto, não consigo manter-me fiel à minha palavra: e eu sei que o prometi, mas não consigo sorrir e dizer que estou bem, não consigo permanecer normal quanto a isto, não consigo parar de ser tão egoísta... porque eu ainda sou, afinal, uma criança grande, grande só mesmo de tamanho, e necessito muito mesmo de ter meu pai por perto... 
A vida para mim já é difícil, ele bem o sabe.. Todavia, quando ele for-se embora, tudo vai ser muito mais difícil, vai ser muito pior. É disto que eu não sei se ele tem conhecimento... 
Sei que me tenho mostrado confiante, forte, bem estável, destemida, corajosa, inabalável... mas não é bem assim... chego todos os dias a casa, vou para o meu cantinho, começo a ouvir a nossa música e pego a chorar... É inevitável...
Ainda tínhamos tanto a fazer, tantas aventuras para viver juntos, planos que vão ter que morrer, sonhos que vão ter que ficar por isso mesmo, desejos que não se podem cumprir...

Quando penso em nós, pai, penso em querer mais tempo... Horas que durem mais, noites que não acabem, manhãs que não sejam interrompidas pela hora do almoço... Quero mais tempo porque ainda preciso fazer muita coisa contigo, meu pai...
Eu quero-te por muito tempo, para sempre, por um milhão de momentos, por dias e mais dias. Quero que seja bem mais que para sempre. É essa a única certeza que eu te posso dar, porque amor de pai e filha é o único que é eterno... Tenho tantas saudades e ainda nem te foste embora... 
"Eu sempre vou lembrar tuas palavras, e nunca vou esquecer o que contigo aprendi. Tu serás sempre o meu anjo da guarda que olha por mim."
"Eu sei que vamos estar para sempre juntos. E a nossa despedida não quer dizer adeus. E quando precisares de mim eu juro, juro por Deus, onde estiveres também estou eu."



Nossa música... Diz tudo não é? Nossos momentos, nosso amor, nossa cumplicidade, nossa história... Amo-te tanto, tanto...  Estas lágrimas que sinto e que vês são a prova que não somos cobardes, somos apenas dois lutadores que estão a lutar por aquilo que é melhor, pela nossa vida... EU PERCEBO. 
Isto não é um "adeus", é um "até já"... 
Desculpa por alguma coisa... Obrigada por tudo. 
Amo-te, homem da minha vida. 


Biaa

8 comentários:

  1. Muito força querida, eu se o meu pai fosse para longe de mim não aguentava, ele para mim é tudo, podes contar comigo!

    ResponderEliminar
  2. Oh minha linda.... Não sei o que dizer... só me apetece pegar nisto e mostrar ao teu pai o que te está a fazer sofrer. Só te digo: STAY STRONG, porque há males que vêm por bem. Eu tb sou assim, ferro por fora, vidro mais frágil por dentro. Que tenhas tudo de melhor, bem mereces.
    Um beijinho e mantén-te forte.

    http://crystal-lips-blog.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  3. muita força, desejo-te tudo de bom dentro dos possíveis. a dor supera-se, as saudades já não, mas vamo-nos habituando a elas

    ResponderEliminar
  4. Biaa, o teu pai não vai deixar de ser teu pai por estarem separados por quilometros e quilometros. Deve ser difícil, deve ser horrível, veres o teu pai afastar-se assim de ti. Deve ter sido horrível descobrir que o teu pai traía a tua mãe, e tal como tu dizes, vê-lo trocar-vos por outra família. Deve ter sido horrível passar por tudo aquilo, sofrer tanto e ainda ter forças para apoiar a tua mãe.
    Mas o teu pai vai ser sempre teu pai. E eu tenho a certeza que ele também ama a pessoa maravilhosa que tu és! Lembra-te dos momentos bons que passas-te com ele, recorda-te daqueles momentos só vossos e que ninguém pode roubar nunca.
    Tu és tão forte Biaa, juro que me emociono ao ler tudo o que escreves, tens uma vida tão difícil mas ainda assim levantas-te sempre perante todas as dificuldades!
    Não sintas que estás a ser egoísta ao chorares tudo o que tens que chorar, não estás a ser egoísta, está a ser humana, estás a descarregar as tuas frustrações!
    Eu compreendo que quando vires o teu pai partir vais ficar um caco, mas não faças nenhuma estupidez, como cortar-te ou algo do género, isso não resolve nada!
    Tu és forte, foca-te nisso!

    ResponderEliminar
  5. Com certeza que o poderás visitar e vão realizar todos os teus sonhos, força querida *

    ResponderEliminar
  6. Oh querida! Tenho tanta pena que as coisas estejam assim, é normal que te custe ter o teu pai longe. Mais que normal até, mas pensa que provavelmente e sempre que ele poder em volta cá, nem que seja nas férias, para estarem juntos. Sempre que precisares estarei aqui para ajudar no que poder! Força querida :)

    ResponderEliminar
  7. Biaaa, não sei o que é sentir essas coisas, de forma alguma! Mas nem sabes como fiquei triste só de me imaginar nessa situação e de perceber que estás muito triste. Desejo-te muita força, muita força para puderes ultrapassar esta fase menos boas. A revolta às vezes destrói-nos nestas situações. Não te isoles. Sê forte! Muitas vezes encontramos a força de que precisamos nestas alturas. Se precisares de alguma coisa podes contar comigo, e com as pessoas fantásticas que comentaram esta publicação antes pelos vistos :)) que sorte, já viste?!
    Beijinho grande <3 **

    ResponderEliminar